Broca-da-Erva-Mate: O mês de fevereiro marca um período de intenso combate à praga

O mês de fevereiro é um período crucial para os produtores de erva-mate, pois é nesse momento que a atenção redobra para enfrentar uma das principais ameaças aos ervais: a broca-da-erva-mate (Hedypathes betulinus), também conhecida como besouro corintiano. Com suas larvas construindo galerias nos troncos das erveiras, essa praga pode comprometer seriamente o desenvolvimento das plantas, chegando até mesmo a causar a morte do pé de erva-mate.

O alerta, emitido pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), Embrapa Floresta, Conselho Gestor de Erva-Mate (Cogemate) e outras entidades vinculadas ao setor florestal, destaca a importância do controle eficiente da broca durante fevereiro. Neste contexto, surge o produto biológico Bovemax, que obteve o selo prata do Ecovadis, um dos maiores fornecedores mundiais de classificações de sustentabilidade empresarial.

Controle Eficiente da Broca-da-Erva-Mate para Preservar a Produção

O combate à broca-da-erva-mate é uma batalha anual, com destaque especial nos meses de fevereiro e novembro. Estes períodos são cruciais para a aplicação do Bovemax, um produto biológico registrado no Ministério da Agricultura que tem se mostrado eficiente no controle dessa praga específica. A larva da broca, ao construir galerias nos troncos, prejudica a circulação da seiva e coloca em risco o desenvolvimento saudável das erveiras.

BROCA DA ERVA MATE 1

Jonas Bianchin, engenheiro florestal do IDR-Paraná, alerta para a presença da broca em toda a região de erva-mate, especialmente em ervais mais antigos. O cuidado com essa praga se mostra vital, uma vez que, se negligenciada, pode comprometer significativamente a produção. Identificar a presença da Hedypathes betulinus exige atenção a sinais como a serragem acumulada nos pés das erveiras e a presença do besouro adulto, conhecido como corintiano, devido à sua coloração branca e preta.

O manejo adequado dos ervais também desempenha um papel crucial no controle da broca. Árvores sombreadas e que recebem adubação periódica apresentam maior resistência ao ataque da praga. Contudo, Bianchin alerta sobre o uso inadequado de herbicidas não autorizados, como o glifosato, que pode prejudicar não apenas o mato, mas também os inimigos naturais da broca, favorecendo sua multiplicação descontrolada.

A eficácia do controle da broca-da-erva-mate encontra destaque no uso do Bovemax, produto biológico desenvolvido pela Embrapa Floresta. Registrado no Ministério da Agricultura e Pecuária, esse produto utiliza esporos do fungo Beauveria bassiana como princípio ativo. O fungo ataca os insetos adultos, provocando sua morte e, posteriormente, cobrindo seus corpos, tornando-os esbranquiçados. Esses insetos contaminados tornam-se agentes transmissores do fungo para outros, ampliando o controle da praga.

Bianchin ressalta a importância de utilizar o Bovemax, especificamente desenvolvido para combater a broca-da-erva-mate. Ele destaca que outras alternativas à base de fungos semelhantes podem não oferecer os resultados esperados. Apesar disso, a catação manual dos besouros adultos em períodos de maior ocorrência, entre dezembro e abril, também é uma opção, embora menos eficiente e mais dispendiosa.

Recomendações para uma Aplicação Eficiente do Bovemax

A aplicação do Bovemax deve ser realizada nas horas mais frescas do dia, preferencialmente no fim de tarde. Evitar a aplicação em dias chuvosos ou com probabilidade de chuva é crucial. Após a aplicação, é recomendável evitar a limpeza mecânica ou química entre as linhas do erval, deixando uma cobertura verde para favorecer o desenvolvimento e a persistência do fungo.

Na poda da erveira, é fundamental manter de 25% a 30% de folhas em cada planta para contribuir para a eficiência do controle, favorecendo a ação do fungo. Essas práticas, somadas ao correto manejo e adubação dos ervais, ajudam a minimizar o impacto da broca-da-erva-mate.

Economia e Importância da Produção de Erva-Mate no Paraná

O Paraná destaca-se como líder nacional na produção de erva-mate, registrando 763,5 mil toneladas em 2022. Os 132 municípios que se dedicam comercialmente a essa cultura alcançaram um Valor Bruto de Produção (VBP) de R$ 1,2 bilhão. Municípios como Cruz Machado, São Mateus do Sul e Bituruna são os principais produtores desse importante recurso agrícola.

O controle eficiente da broca-da-erva-mate torna-se essencial para a preservação e prosperidade do setor de produção de erva-mate no Paraná. A adoção de práticas sustentáveis e o uso responsável de produtos biológicos, como o Bovemax, não apenas protegem as plantações, mas também contribuem para a manutenção da liderança do Paraná na produção desse valioso recurso agrícola.