Crédito de Carbono: Apple investe em florestas no Brasil

Crédito de Carbono: Apple investe em florestas no Brasil

A Symbiosis Florestal, uma startup brasileira especializada em manejo sustentável de madeira nativa, alcançou grande destaque ao se tornar fornecedora de créditos de carbono para a gigante tecnológica Apple. Há três anos, a Apple iniciou sua busca por fornecedores de créditos de carbono e encontrou na Symbiosis o parceiro ideal, com um projeto bem estabelecido e alinhado aos seus objetivos de sustentabilidade.

Com mais de uma década de experiência e investimentos significativos na ordem de R$ 70 milhões, a Symbiosis desenvolveu um modelo de negócio integrado que visa restaurar áreas degradadas através do plantio de árvores de valor comercial. O projeto piloto de 1.400 hectares, localizado no sul da Bahia próximo a Trancoso, serviu como base para comprovar a viabilidade e eficiência do método empregado.

A estratégia da Symbiosis consiste em realizar cortes periódicos em apenas parte das árvores, mantendo a paisagem e permitindo a recuperação da biodiversidade local. Isso significa que a receita da empresa não se limita apenas à venda de madeira, mas também inclui o estoque de carbono nas áreas plantadas, um elemento essencial na neutralização das emissões de gases de efeito estufa.

Segundo Bruno Mariani, CEO e fundador da Symbiosis, o modelo da empresa foi testado e comprovado ao longo dos anos, e a parceria com a Apple representa uma oportunidade única para expandir suas operações. O investimento da Apple veio através do Restore Fund, um fundo com US$ 480 milhões destinado a investir em soluções naturais para a remoção de carbono da atmosfera.

O aporte financeiro recebido pela Symbiosis faz parte do Carbon Solutions Fund, gerido pelo Goldman Sachs e com um total de US$ 200 milhões. Com esse investimento, a Apple adquiriu 49% da Symbiosis Florestal, criada especialmente para abrigar o projeto em colaboração com a gigante tecnológica. A Apple também ficou com 49% dos créditos de carbono gerados pelo projeto, com a possibilidade de adquirir os 51% restantes no futuro.

O compromisso da Apple com a neutralização das emissões de carbono em sua cadeia de valor é evidente, considerando que cerca de 25% dessas emissões não podem ser reduzidas e precisam ser compensadas através de créditos de carbono até 2030. A parceria com a Symbiosis é parte integrante dessa estratégia, uma vez que a empresa brasileira se destaca no manejo sustentável de áreas degradadas e na restauração da biodiversidade.

O histórico da Symbiosis remonta a 2005, quando Bruno Mariani, após deixar o banco da família, decidiu investir em atividades com propósito e ligadas às mudanças climáticas. A empresa surgiu da ideia de aproveitar o potencial do setor de papel e celulose brasileiro, que havia implementado melhorias genéticas para acelerar o crescimento das árvores.

A estratégia da Symbiosis envolve o melhoramento genético de espécies nativas da Mata Atlântica, como jacarandá, paraju, peroba rosa e louro pardo, visando aumentar a produtividade da madeira e encurtar o ciclo de crescimento das plantas. Esse enfoque na eficiência produtiva é fundamental para viabilizar o modelo de negócios da empresa, que busca equilibrar lucratividade com sustentabilidade ambiental.

O modelo de negócio da Symbiosis é abrangente e envolve desde a coleta de sementes até a produção final de madeira, passando pelo cultivo, manejo florestal e processamento industrial. A empresa também investe em pesquisa e desenvolvimento para aprimorar suas práticas e garantir o sucesso a longo prazo de suas operações.

A entrada da Apple como investidora estratégica da Symbiosis representa um marco importante não apenas para a empresa brasileira, mas também para o setor de soluções baseadas na natureza e compensação de carbono. A parceria entre essas duas empresas exemplifica a crescente importância das iniciativas de sustentabilidade e a busca por modelos de negócios que conciliem lucro com responsabilidade ambiental.

Para a Symbiosis, a parceria com a Apple não se resume apenas ao aspecto financeiro, mas também representa uma validação de seu modelo de negócios e uma oportunidade de expandir seu impacto positivo no meio ambiente. A empresa está comprometida em continuar seu trabalho de restauração de áreas degradadas e na promoção de práticas sustentáveis na indústria florestal, contribuindo assim para um futuro mais verde e equilibrado.