Exploração Madeireira em planos de manejo florestal sustentável segue proibida no Mato Grosso até 1º de abril

Em Mato Grosso, entrou em vigor a proibição para atividades de exploração em planos de manejo florestal sustentável, impactando o corte, derrubada, arraste e transporte de toras. A medida, que começou a valer a partir de 1º de fevereiro, tem como objetivo resguardar o solo dos efeitos negativos causados pela retirada de madeira, especialmente durante o período de chuvas.

A proibição abrange cerca de 6% do território, totalizando 52 mil quilômetros quadrados de áreas com Planos de Manejo Florestal Sustentável autorizados pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT).

Segundo Tatiana Paula Marques de Arruda, superintendente de Gestão Florestal da Sema-MT, até 1° de abril, será possível emitir a guia florestal e transportar apenas o volume e espécie de madeiras que foram previamente estocadas na esplanada principal e cadastradas no sistema Sisflora antes do início do período proibitivo.

Tatiana enfatiza a importância de respeitar a fase de “reserva da madeira” como um elemento crucial para preservar o equilíbrio entre o desenvolvimento ambiental, econômico e social.

A medida, fundamentada na resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) e regulamentada pela Câmara Técnica Florestal de Mato Grosso por meio da resolução N°10/2017, estabelece o período proibitivo de exploração florestal sob o regime de Manejo Florestal Sustentável de Baixo Impacto.